D'Eu
Sara Tavares - Muna Xeia

O nosso último silêncio foi muito intenso e prolongado. Lembras-te? - Disseste-me: "nunca tínhamos estado tanto tempo em silêncio". Sorri-te, embora tu não visses porque eu estava de costas, mas respondi-te que este nosso silêncio não era um silêncio silencioso ou vazio, mas um silêncio cheio de poesia. "Nem mais" - respondeste.
Durante todo o tempo que durou este silêncio, estive num lugar seguro, isento de problemas, desilusões ou frustrações. Senti a paz que vivias no respirar quente e pesado sobre o meu ouvido, enquanto os teus braços me enlaçavam docemente. "Não estou a dormir, disseste-me" - e eu sorri novamente... mas tu não viste.
Sabes o quanto desejei ter-te assim a cada acordar do dia? Sabes o quanto sonhei poder recorrer ao teu corpo daquele lado da cama quando acordo a meio da noite? Sabes como imaginei começar os nossos dias?...
E todos os silêncios entre nós eu queria que fossem como este. Contendo em si todo o sentimento do que é bonito de viver sem medos, sem culpas. Enquanto estivemos ali, enroscando os nossos corpos e sentindo o calor que esse contacto provocava, eu sonhei assim:

Vem tatuar na minha pele... a tua pele,
Vem desenhar o teu corpo a papel químico... sem papel,
Vem deixar-te em mim como se partisses,
E volta sempre sem nunca teres ido embora.
Aqui me encontras... sempre!

Vem devorar a poesia das palavras
Vem beber do sumo das nossas almas...
Vem escrever a sofreguidão das nossas letras,
Vem receber o amor com que me acalmas.
Aqui me encontras... sempre!

Vem entrelaçar os teus nos dedos meus,
Olhar-me fundo tocando o coração,
Vem ficar junto partilhando a vida
Num breve momento de solidão...

Esta é uma melodia... só nossa...
Aqui me encontras, sempre!

[2011/04/03]

6 Responses to "Silêncio tatuado..."

  1. A. Says:

    gostei tanto mas tanto de ler.
    lindo!
    beijinho

  2. Natacha Says:

    Que bom, minha amiga... obrigada!

    beijinhos

  3. ónix Says:

    E regressarão estes silêncios para te abraçarem, com toda a certeza.
    Beijinhos

  4. Natacha Says:

    Não sei Ónix, penso que tudo o que foi não volta a ser, ainda que voltem os silêncios, ainda que estes me abracem... nada será igual...

    Beijo

  5. Ametista Says:

    Nada se repete, querida Natacha, mas os momentos podem voltar a ser idênticos..
    Que silêncios assim, belos como este que nos deixas, te preencham para sempre e até sempre..

    Um grande beijinho :)

  6. Natacha Says:

    Idênticos e/ou melhores ainda, Leonor. É inevitável passarmos nesta vida por todo o tipo de emoções. Afinal não são elas que dão sal à vida??
    E, acredito que nada acontece por acaso, como tal...

    Um grande beijinho!

Enviar um comentário